Sexta-feira, 27 de Novembro de 2009

Manhattan Touch II

No montra do "mundo no futuro" também há quem o apresente acabado. Provavelmente, foi neste sítio -Times Square- onde José Sócrates se inspirou e interiorizou a palavra...mundivisão (linda!). As sílabas rainhas das legislativas 2009 em Portugal.

Torna-se evidente que da mundivisão do Times Square, Sócrates retirou três más lições para governar o nosso país. 

Primeira; Gastar dinheiro até mais não, qual turista deslumbrado com cartão de crédito na mão! Só assim se explica que há 3 meses, o seu "guarda-livros" (Teixeira dos Santos) dizia que estava tudo dentro dos intervalos de segurança, e agora, afinal, é preciso mais dinheiro! O défice orçamental provavelmente vai passar de 5,9% para 8%. Caso para dizer...há mentirosos e mentirosos....

Segunda; No "Times Square" há muitos turistas. Em turismo não se trabalha. A cultura do ir fazer turismo para o trabalho é um legado enraizado desde há muito em Portugal. O governo estimulou-o ainda mais. Ao premiar a função pública na hora da verdade (aumentos de 2,9% em plena crise), apenas reforçou a ideia que o turismo na função pública está para ficar à conta dos "parvos" do privado. É a mundivisão de esquerda!

Terceira: Só irei perceber o -afinal falso- desprezo pelo futuro dos que cá ficarão a trabalhar e pagar o endividamento nacional, se numa das suas estadias inspirativas em New York o nosso primeiro-ministro tenha recebido, lido e acreditado numa profecia parecida com a que um negro estilo Obama amavelmente me passou junto ao Kodak Theatre. Só com o mundo a acabar em 2011 se aceita a política económica desastrosa do PS desde 2005.

   

sinto-me: bem
música: Everything's ruined
publicado por Planeta Roxo às 22:36

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 26 de Novembro de 2009

Manhattan Touch II

Na passada terça-feira voltei a lembrar-me de New York estilo "nações unidas". Isto porque, nesse mesmo dia, na China, foram executados 2 dos 3 chineses condenados à morte na sequência da falsificação com melamina de leite e demais produtos de alto teor proteíco -causadora de 3 mortes infantis e mais de 300 mil doentes somente naquele país-. Este problema, à altura, chegou à Europa. Felizmente por cá, o impacto foi reduzido e fortemente controlado após o caso ter "rebentado na Ásia".

 

Posto isto, caso para dizer que os chineses repressivamente não puderam ser mais contundentes. Agora, e do ponto de vista preventivo!? Está o mundo a ser mais exigente com os pouco higiénicos e instruídos que operam na China? Continua a ser "business as usual" sem nenhum tipo de preocupações ao nível de segurança alimentar? 

 

A julgar pelo que vi no Chinatown de NY não devemos facilitar. Fiquei com a sensação que na terra do tio Sam, em nome de mais e melhor competição, o fazem. Deixam os "chinocas" ir longe demais na venda de produtos alimentares, especialmente pescado e marisco.

 

Vejam as fotos seguintes e tirem conclusões. A água do aquário parece dum pántano da Florida! A peixaria ocupa um terço do passeio, a mercadoria quase apanha chuva, já para não falar das caixas nojentas de papelão e a insuficiência de gelo. De facto, imagens às quais não estamos habituados. Para mim, ir ao Chinatown de NY é o vale tudo, para os americanos significa comprar mais barato e seja o que deus quiser.  

 

 

sinto-me: bem
música: Say hello
publicado por Planeta Roxo às 22:19

link do post | comentar | favorito
Sábado, 21 de Novembro de 2009

Manhattan Touch II

Se chegou a haver "touch"  é porque houve uma companhia aérea que me levou a New York em segurança, simpatia e comodidade proporcional ao valor pago. Essa companhia foi a TAP. 

Para mim, voar é TAP e só depois o resto. Não por causa do patriotismo, embora também ajude, é pela qualidade de serviço, sentimento ilusório que um avião TAP nunca caí (algum dia será!) e forma profissional como somos tratados lá em cima.

 

Por isso, ir e vir -segunda vez em 2 anos pela empresa nacional-, faz-me acreditar que Portugal lá fora é vinho, cortiça, fado, futebol e talvez possa adicionar-se o voar em segurança. É justo vincar que num país de rastos há algumas entidades empresariais na esfera do estado com capital de credibilidade absoluto no seu "core" de actividade. Méritos neste caso? Devem ser creditados ao pessoal de manutenção de aviões, pilotos, funcionários de cabine, mas também a Fernando Pinto sua equipa e a quem, em 2000, fui buscá-lo para administrador. Estão a ouvir bem!...é verdade...estou a elogiar alguém -não sei quem- do governo de Guterres (acho que é Jorge Coelho depois de ter feito a borrada da Swiss Air)!

 

Contudo, breves considerações pretendo fazer na qualidade de mero consumidor patriótico preocupado com o futuro desta nossa empresa de bandeira;

 

1- Fernando Pinto assumiu como meta para 2009 um lucro de 8,1 milhões de euros. Segundo o jornal "O Sol" esse número já era! 

2- Não admira! Só a greve dos pilotos em Setembro custou 10 milhões. Percebo a posição desta classe mas não posso concordar com a sua conduta. Foi uma  greve egoísta! Poderiam ter-se sacrificado um pouco mais, e então, em 2010, com recuperação económica acima do zero, pedir os seus aumentos com maior moral perante a sociedade.

3- A TAP, em 2009, prepara-se para o segundo melhor ano de sempre no transporte de passageiros. Melhor só 2008, ano em que o preço do crude, nos primeiros 10 meses, tudo abafou -tendo a companhia um prejuízo de 285 milhões de euros-.

4- Assim, mergulhada no vermelho carregado, a empresa entrou em 2009. Segundo o jornal "O Sol", ano para perdas na ordem dos 100 milhões de euros, muito por causa do seu "handling" e da ex-empresa de manutenção da Varig. Isto é, petróleo mais barato, um bom número de passageiros e a redução das ligações aéreas em 10% não chegaram para o "break even do exercício".

5- Vendo os bons desempenhos da administração serem insuficientes, não será mais que tempo da TAP adquirir/juntar/fundir-se com outras companhias internacionais? Se as pessoas que mandam estiverem atentas ao gráfico abaixo, perceberão que uma alta severa do crude não pode ser descartada. A confirmar-se pode ser fatal para o falta de músculo da empresa (nem a desvolarozição do Dolar o travará). Como português só peço que nessas negociações, em que há sempre cedências de parte a parte, os interesses do povo lusitano sejam bem defendidos. Como tal, corroboro a posição pública de Marcelo Rebelo de Sousa ao defender um caminho mais rápido na procura de um negócio deste tipo.

       

 

sinto-me: bem
música: Hot Fuss (The Killers)
publicado por Planeta Roxo às 23:39

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 20 de Novembro de 2009

Manhattan Touch II

Autumn in the Park, Upper West Side. A beleza também se revela num dia cinzento! Quando no Central Park lembro-me da minha Agronomia (se tivesse um pouco mais cuidada!).

Esta foto é uma homenagem ao bom gosto existente no parque verde de lá, mas também um manisfesto contra o avanço de área de betão no Monsanto. Um dos tesouros de Lisboa deve ser conservado e ordenado em verde sem mais construção que "coma" área florestal.

 

sinto-me: Crazy Train (Ozzy)
música: bem
tags:
publicado por Planeta Roxo às 02:18

link do post | comentar | favorito

Manhattan Touch II

Para um agrónomo com eu, New York City nunca poderá ser considerado local a que chame "home", é muito betão e confusão. Contudo, não posso deixar de admirar a arquitectura e geometria dos espaços interiores e exteriores da cidade que nunca dorme.

 

Diga-se aliás, que New York City seus governantes e habitantes, fomentam a sua singularidade ao apoiar e pagar pricipescamente a projecção e construção de edifícios arrojados e fututristas pensados pelos melhores arquitectos mundo. Logo, isso contribui, por exemplo, para o facto do turismo naquela cidade ter passado mais ou menos ao lado da crise.

 

Ao contrário está Portugal, particularmente Lisboa, em que projectos de grandes arquitectos como Frank Gehry são considerados caros e megalómanos. Só o projecto Parque Mayer custou 500 mil contos! E depois? Quanto vamos pagar pelo inútil TGV, pelo adiável NAL e pelas excessivas auto-estradas -feitas à medida para os amigos do PS terem negócio-?! O argumento do dinheiro é pouco credível especialmente quando por cá é por demais desbarato com inúteis e incompetentes. Se calhar se o arquitecto se chamasse Manuel Salgado, Siza ou Helena Roseta passava tudo!

 

Os "Costas" e "Sá Fernandes", gente de fraco nível e espinha pouco vertical, rejeitou uma ideia arrojada para reabilitar um quarteirão da cidade que parece o "Cabaret da Coxa". Tudo bem...infelizmente! Neste país tudo é relativo, até de Gehry se fala como fosse patife de cartão partidário PPD/PSD e não como génio visionário. Fico preplexo com a esquerda urbana que acha arte da boa a pilinha do Cutileiro na Parque Eduardo VII e as Oliveiras dentro de bancos na Praça do Comércio, e depois rejeita uma visão socio-cultural fresca para o Parque Mayer só porque vem de pessoas de centro-direita. O que chateia António Costa é que Santana Lopes fica na história de Lisboa com uma obra (túnel de Lisboa) que todos viram útil menos os idiotas de esquerda e seus amigos da comunicação social...O PS não permitiria uma segunda intervenção ligada a Santana seguir o mesmo caminho... era muita inveja pressorizada.    

 

sinto-me: bem
música: Alive
tags:
publicado por Planeta Roxo às 01:36

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 18 de Novembro de 2009

Manhattan Touch II

Em Portugal, ouvir a maioria dos actuais políticos na TV falar sobre corrupção e potenciais soluções para a sua eliminação, é como ter 120 Kg de peso, querer uma solução dietética e ir pedi-la a um endocrinologista ainda mais obeso. O que se passa neste momento por cá, consequência dos casos Casa Pia, Portucale, Operação Furacão, BCP, BPN, BPP, Freeport e Face Oculta, traduz o descrédito total dum país que incluí muitos corruptos na governação, sem que a justiça os conseguir "enjaular" e a sociedade afastar (a ordem deveria ser inversa).

Isto tudo a propósito da obra de arte que mais captou a minha atenção no MoMa. Um brilhante e satirizante óleo de Otto Dix  retratando Dr. Mayer-Hermann, médico reconhecido entre actores e cantores, na Alemanha do início do Século XX, como grande especialista em questões de garganta. Analoga e metaforicamente, à semelhança do actual governo lusitano, reconhecido como deus pelos administradores da maioria das empresas que brilham no PSI-20... o problema são as outras...as que não aparecem na televisão. 

O que vale é que passei 6 noites num país onde corruptos de palmatória podem levar 150 anos de prisão e são presos em 6 meses. Revigorante!

 

Pouco dias antes da minha chegada aos EUA,  no passado dia 10, mais um bom exemplo do combate à corrupção quando ela é descoberta. O ex-congressista do  partido democrático -oriundo do Lousiana- William Jefferson, depois de em 2005 se ter descoberto que guardava dinheiro para "luvas" dentro de caixas de Hamburguers no frigorífico, foi agora deliberada a sua prisão por 13 anos! É verdade... quando toca a políticos a coisa demora mais, mas o facto é que ele foi lá para dentro. Aqui, nem sequer o caso Casa Pia acabou, isto depois de limpar todos os políticos do rol dos acusados.   

 

sinto-me: bem
música: The Fixer (Pearl Jam)
tags:
publicado por Planeta Roxo às 00:56

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 16 de Novembro de 2009

Manhattan Touch II

À segunda foi de vez! Cumpri um desejo de adolescente! No mítico Madison Square Garden vi finalmente um jogo oficial da NBA. Duas constatações rápidas desta experiência inesquecível;

 

1ºDas brilhantes equipas dos Knicks que viveram à sombra dos ainda mais brilhantes Jordan e Phil Jackson, só restam as camisolas e o recinto. Os Knicks atacam bem mas defendem horrorosamente! Logo, o primeiro passo para tornar a equipa razoavelmente competitiva é melhorar a defesa. Se isso não acontecer rapidamente, a presente época caminha para o escandalosamente desastroso, pondo ainda mais pressão no futuro próximo de 2010-2011 em que muito se espera para os lados de NY -incluíndo Lebron James vestido de azul e laranja-.  

 

 

2ºPerceber que junção de capacidade mínima competitiva, entretenimento e comunicação positiva são a chave do sucesso financeiro -mesmo sem títulos-, é essencial! 

 

É um regalo ver um pavilhão, em que a equipa da casa ganha 1 jogo nos primeiros 10, com 70-80% da sua capacidade preenchida. Ainda por cima quando o adversário é outra formação de segunda linha, e, como todos sabemos, NY é um poço cheio de alternativas para quem quer gastar dinheiro e passar tempo (bem melhores que testemunhar derrotas consecutivas).

 

 

Contudo, vendo os momentos imediatamente antes do jogo, os seus intervalos e time-outs, facilmente se percebe que o adepto/consumidor é o centro de tudo, sendo a vitória o fundamental da oferta mas não 100% do conteúdo. Por isso,  saí do Madison Square Garden  a pensar que os dirigentes desportivos nacionais poderiam aprender humildamente com esta gente, de forma a fazer dos tempos mortos dos nossos eventos desportivos algo de aproveitável, com classe e profissionalismo, não brindando os adeptos, múltiplas vezes, com actuações patéticas, desajeitadas, desenquadradas ou com o vazio.

 

Não digo para copiar-se tudo o que lá se faz porque não temos público em quantidade para isso, antes tentar entender como eles pensam o planeamento integrado do Show desportivo. 

  

sinto-me: bem
música: New York
tags:
publicado por Planeta Roxo às 22:58

link do post | comentar | favorito

Manhattan Touch II

A cidade que nunca dorme, depois do rombo da crise recente, tenta retomar o seu vigor normal. Como qualquer cidade no mundo, tem zonas em declínio e outras em crescendo. Existe uma em particular -com inauguração adiada-, que está a ser levantada com o orgulho americano de sempre. Orgulho agora ferido pela decisão de inspiração "Obama" de julgar em tribunal civil o alegado cérebro do 09/11, Khalid Sheik Mohammed. Desta vez, o ataque aos princípios básicos da democracia americana é interno (proveniente do mais aproximado ao PS lá do sítio, i.e., a ala mais à esquerda do Partido Democrata). 

 

As perguntas são simples; Será o acto terrorista de 09 Setembro de 2001 um acto de guerra ou crime civil? Será que os terroristas do 09/11 deverão ser julgados à luz de leis criadas e concebidas no âmbito de uma sociedade civil que eles totalmente e absolutamente rejeitam? (perguntas do Wall Street Journal que por concordar faço minhas).

A estas perguntas o Procurador Geral Eric Holder disse sim! Discordo e protesto. Como forma de protesto publicito como o novo Ground Zero cresce num formato novo para um novo começo. As fotos deste post são de 12 Novembro de 2009.

 

sinto-me: bem
música: New York New York
tags:
publicado por Planeta Roxo às 19:47

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 9 de Novembro de 2009

Notas Direitas- Coisas estranhas num país engraçado

1ªNota: Em Setúbal, fiquei a saber que um evento de nome "Semana da Sardinha Escorchada" dura de 10 a 22 de Novembro. Portanto, na foz do Sado uma semana tem 13 dias! Se calhar para aqueles lados um fim-de-semana são 4. É por estas e por outras que Setúbal é o que é. Nem numa normal comunicação promocional demonstram o mínimo de rigor criativo. É estilo...não faz mal...o que interessa é a Sardinha!...Enganam-se!

   

2ªNota: É com desagrado que vejo as comemorações do dia nacional do Engenheiro terem como acto inaugural a bela da missa! Uma ordem ou associação profissional, deveria, no mínimo, promover objectivamente o laicismo, no máximo, abolir qualquer ritual de fé da sua actuação. Por muito respeito que me merecem os Engenheiros já falecidos (o acto é pela alma deles), eu engenheiro, acho desadequado.

3ªNota: Alguém sabiamente me disse que no caso "Face Oculta", em prisão preventiva, só ficou quem pagou. Os que receberam, por enquanto, andam todos cá fora! Ainda que algo simplista, a afirmação dá que pensar. Obrigado! Temos que ter calma não vá isto ser o início do fim do "Neo-Socialismo" lusitano -fundado por Soares de que Sócrates é o actual timoneiro-.

 

4ªNota: Pouco me importa... mas é impressão minha ou o actual presidente do Sporting está quase pronto para ser internado numa instituição psiquiátrica? Em 2 dias, após demissão de Paulo Bento, quem quis aprender como ajudar à destruição um "clube grande" teve uma boa oportunidade com as conferências de imprensa de José Eduardo Bettencourt. O pouco equilíbrio democrático dos últimos 20 anos no Sporting deu nisto. Espero que os Benfiquistas percebam o que não se deve fazer! As oposições nunca se calam, apenas se lutam com armas "urbanas" sem chocar o adepto/sócio anónimo. Além de que transformar os orgãos decisores de um clube numa assembleia de "nobres" bem colocados na vida...nunca! 

 

sinto-me: bem
música: Rooster
publicado por Planeta Roxo às 01:40

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 6 de Novembro de 2009

Notas Direitas

1ªNota: Como é possível um membro do conselho de administração do Banco Comercial Português, na sua carta de suspensão de mandato, ser tão displicente! Apenas reforçou a sua natural, conhecida e reconhecida incompetência que liga o seu sucesso profissional ao pior da lógica mafiosa de subir na vida por conta de cartão/filiação política.

Como é possível, Vara sabia-o, numa carta que iria ser lida, letra a letra, por milhões, permitir-se dar erros ortográficos de palmatória? Nem um corrector ortográfico aplicou?! Será este rigor apanágio do Banco onde suspende funções? Apesar de lá não ter conta aberta esperemos que não! Quanto ao caso "Face Oculta", alguém verdadeiramente sério fica surpreso com a vergonha que caí sobre Armado Vara e seus familiares (arrastados evidentemente!). Por  amor de deus a resposta é óbvia... O que me mete nojo não é o Sr. Vara em si, este merece-me reprovação e condenação, mas sim os tradicionais senhores da esquerda portuguesa a tentar desculpá-lo. Usam rasteiras armas retóricas tradicionais do PS, i.e., ainda que implicitamente dão a entender que é mais um caso pouco consistente com objectivos políticos ou acções rasteiras que o PPD/PSD lidera ou aproveita. Fiquem com o trecho da carta de Armando Vara e observem a calinada num parágrafo fulcral. Suspensão com ç ...por amor da santa!

2ªNota: Durante as últimas duas semanas, se os poucos leitores deste blog tivessem ido à biblioteca do Instituto Superior de Agronomia, facilmente perceberiam a razão de Portugal ainda ser um país medíocre mais ou suficiente menos. Passo a explicá-lo por 3 linhas de razão;

 

A) O edifício, no máximo, foi estreado há 8/9 anos, mas está tão desgastado que parece que abriu portas há pelo menos o dobro. Chove lá dentro em cima dos livros tapados por plásticos. O tecto falso já tem  falhas, as paredes apresentam um aspecto pálido e de construção sofrível, para não falar do exterior não cuidado com a dignidade que merece. 

 

B) Pior ainda são "alguns animais"  que a frequantam. Diria que 20 a 30% da população estudantil por mim lá encontrada, é tão mal educada que de forma lapidar espelha as falhas de uma geração formada sob a égide de Socialistas tolerantes e de pais cientes de direitos mas alheios de obrigações.

Eles, os estudantes, riem à gargalhada, chamam colegas com assobios, falam como estivessem em esplanadas, tem conversas audíveis com elementos do sexo oposto próprias de jantar em restuarante, colocam o som dos PC's excessivamente alto na visualização de "joke videos", arrastam e movem mesas quando isso é proibido, e até há evidências que na consulta de literatura, na preguiça de tirar cópias, rasgaram-se páginas. Em suma, um tremendo desprezo e desrespeito pela demais população universitária e pelos impostos que todos nós pagamos para a existência de um ensino público universitário.

 

C) Por último, relacionado com a alínea anterior, realço o papel -ou ausência dele- dos funcionários da biblioteca no travar das condutas impróprias. Simplesmente não fazem nada! É uma vergonha, sinónimo de incompetência para quem tem no seu caderno de deveres manter o ambiente civilizado no local -se não tem deveria ter-. É a função pública no seu pior! 

 

Espero que, tal como no meu tempo, se safe um punhado de estudantes que estão na Agronomia com propósito, de corpo e alma, e também os professores, na minha altura, na esmagadora maioria, de bons para cima. 

E para aqueles que lutam contra a mediocridade no Agronomia eu deixo aqui uma peça orgolhosa da minha estória. Amo a Agronomia, dizer mal desta instituição é-me difícil. Mas só apontado os erros nas coisas do nosso coração conseguimos ser superiores no sentimento e na acção. Sou Agrónomo com orgulho.

 

 

sinto-me: bem
música: New york New york
publicado por Planeta Roxo às 00:47

link do post | comentar | favorito
psroxo@sapo.pt
Site Meter

pesquisar

 

posts recentes

Reflexões de observador a...

Notas Direitas- Projecçõe...

Agora só quando vale...e...

O Nº226034 está-lhe grato...

É muito melhor que as 'pa...

Só para avisar que se me ...

Onde está a equidade cons...

Precisamos de oportunidad...

O meu olhar sobre polícia...

Flash Liberal- Passos Coe...

Maio 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31

tags

todas as tags

arquivos

Maio 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

mais sobre mim

blogs SAPO