Domingo, 18 de Março de 2012

Notas Direitas - A ‘amnésia’ na nossa memória energética

1ªNota: Até 2011, exceptuando o aspecto do preço ao consumidor final, a política energética portuguesa era temática consensual. Salvo um ou dois potenciais interessados no nuclear, meia dúzia de especialistas com pouco palco e raros notáveis da esfera política, passou razoavelmente bem pelos pingos da chuva. Nem tão pouco, até 2011, cresceu algum tipo de onda de indignação generalizada sob os apoios excessivos aos operadores energéticos.

2ªNota: Em Maio de 2011 veio a Troika e o seu dinheiro. Alertada para lucros excessivos e distorções de mercado rapidamente impõe como obrigação a revisão da subsidiação ao sector (se li bem era para o 4º trimestre de 2011).

3ªNota: E num passo da magia acordámos colectivamente para o escândalo dos subsídios à produção de energia. Que Pedro Passos Coelho teria forçosamente que resolver – também ele concordava com tal acusação. De repente desata toda a gente a contestar as opções do passado num histerismo que confesso me impressiona pela carga de amnésia em si contido, numa conduta como se coisa nova fosse. Exigiu-se à nova tutela/governo o devido corte. Com a sua razão o novo Secretário de Estado da pasta (agora já Ex) queria fazê-lo depressa e à sua maneira.

4ªNota: Mas como na vida real por fortes e variadas entropias o que deve nem sempre é exactamente feito, cedo percebeu que as suas ideias não iam vingar sem fortes resistências e ameaças, incluindo as legais/contratuais. Bateu com a porta. Provavelmente, os seus objectivos e metodologias careciam da correcção pelo coeficiente de ‘realidade’ tanto na forma como na substância, não o quis aceitar. Aguardo avidamente por explicações em discurso directo.

5ªNota: Dadas as circunstâncias sou daqueles que vê nesta demissão um mal menor para o governo. Assenta bem o discurso ‘do perdeu-se um homem mas a guerra continua’ – desde já ensaiado pelo Ministro da Economia -, para além de toda a publicidade negativa a que os operadores ficaram sujeitos. Um acordo parece inevitável a meio caminho dos interesses de ambas as partes, assim o Governo não deixe cair o tema. E acho bem que pense em cortes que se vejam a afectar também a EDP, se não o fizer haverá custos letais de credibilidade.

6ªNota: O Governo errará se usar como justificativa para a não acção nesta temática o facto da venda aos Chineses -dos 25% da EDP- estar incompleta, parece-me pouco feliz. Não deve ser usada. Se a seriedade o pauta em todas as situações deveria ter ido para o mercado com essa informação claramente inscrita nas condicionantes do negócio.  

7ªNota: Por fim, espero que num país do 8 e 80 não se parta de uma situação de favor para uma situação desfavorável, nomeadamente nas energias renováveis. Não se justificam negócios sem risco por tempo excessivo, mas os seus incentivos (ou desincentivos às outras) não devem desaparecer totalmente.   

sinto-me: bem
música: Go with the flow (songs for the deaf)
publicado por Planeta Roxo às 17:57

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 4 de Janeiro de 2012

Notas Direitas- Pontapé da Saída 2012

1ªNota: A venda da posição estatal na EDP! Causa-me desconforto a substituição de capital público nacional por capital público chinês. Mas é razoável admitir que ninguém, na posição dos actuais governantes, decidiria diferente. Agora exige-se é uma regulação forte e sem contemplações para quem entrou num negócio 100% seguro, e, já agora, um acordo parassocial que defenda minimamente os legítimos interesses do país. Engraçado foi nenhum jornalista se ter lembrado de perguntar ou investigar, em que estádio de desenvolvimento tecnológico está o sector de energias renováveis chinês. Nem tão pouco tentar perceber se investem em inovação na área! Essas também são áreas interessantes para nós, visto pagarmos a preço de ouro a putativa vanguarda na energia verde. Perguntas deste género feitas ao governo?...zero! 

 

2ªNota: O 'move' de Alexandre Soares dos Santos (ASS). Perante a incerteza fiscal, para não dizer roubo, ASS deportou a sua holding detentora da cadeia Pingo Doce para a Holanda. Fez muito bem. Ele, tal como eu, não aceita dupla tributação (ainda que apenas uma ameaça para SGPS's). Tenho pena que, se eu quiser comprar acções de uma empresa lucrativa, ao contrário de ASS tenho que pagar imposto sobre possíveis dividendos.

 

Até os 'Cobridores' vão ter que emagrecer...é a troika! 
sinto-me: bem
música: Haja o que Houver
publicado por Planeta Roxo às 00:13

link do post | comentar | favorito
psroxo@sapo.pt
Site Meter

pesquisar

 

posts recentes

Notas Direitas - A ‘amnés...

Notas Direitas- Pontapé d...

Maio 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31

tags

todas as tags

arquivos

Maio 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

mais sobre mim

blogs SAPO