Terça-feira, 29 de Outubro de 2013

Flash Liberal- A nova lei do cão e gato...é também mais uma taxa para os bolsos de sempre. Vai uma aposta?

"Novidade é também a obrigatoriedade de registo de todos os animais, precisamente para passar a poder penalizar o abandono. Mas esta é justamente uma das questões que mais dúvidas levantam à Associação Animal"

 

Obrigatoriedade de registo = Custo = Dinheiro para um organismo central = Roubo = Normal neste país = Agiotas da função/serviço público.

 

sinto-me: bem
música: Default (Django Django)
publicado por Planeta Roxo às 23:12

link do post | comentar | favorito

Flash Liberal- Mais uma pérola do Ministério liderado por beto-beatos do CDS/PP

Dantes era 'Foi você que pediu um Porto Ferreira?'. Agora é 'Foi você que pediu estupidez a metro regada com um fiozinho de diarreia intelectual?'. Se sim o Ministério da Agricultura da Cristas assistido pelo seu formidável corpo Veterinário oferece. É só pedir. Não há gemido, ganir ou mijadela incontida na escada do meu prédio que me fizesse apoiar revisões legislativas sobre a matéria. Mal posso esperar por 7 anos de preparação deste articulado. Vou lê-lo com toda a atenção... devem ser estas as tais reformas do Estado. Contar quantos animais são para ter em casa. Como se fosse preciso um babuíno Veterinário para dizer isso a uma pessoa minimamente normal. Como se mais um punhado de papel com balelas sobre bem-estar animal fosse alterar grande coisa. Ganham os funcionários superiores destes ministério 2,3,4 e 5 mil euros por mês, nem 200 merecem.

sinto-me: bem
música: Welcome to the Jungle
publicado por Planeta Roxo às 22:32

link do post | comentar | favorito
Domingo, 29 de Julho de 2012

Flash Liberal- Lamentáveis PS e Seguro...isto é jogo muito fraquinho!

A propósito disto lembrar ao António José Seguro cinco coisas;

Primeiro: Estivesse o país ao nível financeiro como está do ponto de vista de segurança alimentar e estaríamos todos de férias nas Caraíbas!

Segundo: O controlo analítico feito pelas entidades oficiais, mesmo que cumprido a 100%, nem sequer abrange 5% do que comemos (digo eu, e 5% já é um exagero da minha parte). Logo, fazer jogo político com o tema é de baixíssimo nível, demonstrativo do fraco nível da nossa oposição;

Terceiro: O controlo analítico oficial de facto tem o seu papel, não quero de forma nenhuma minorá-lo, mas convém não sobrevalorizar, nem de perto é instrumento fundamental para alcançar os objectivos em questão. Convém relembrar ao PS e António José Seguro que Qualidade e Segurança Alimentar devem ser garantidas e verificadas pelos Agentes Económicos. É uma obrigação e intenção esmagadora de quem vende, na letra da lei e nos resultados do dia-a-dia (exigências do cliente), o Estado, embora importante na sua acção, tem alcançe limitado;

Quarto: Esta declaração siginifica que volta atrás na posição oficial do PS em relação à taxa de Segurança Alimentar Mais? Ou por outro lado se compromete a cortar em outras despesas da função pública para haver dinheiro para análises?

Cinco: Porque será que o PS opta sempre pelo terrorismo informativo, alarme social e gastarias de dinheiro desmesuradas perante potenciais problemas de saúde pública? Não seja pateta e lembre-se da vossa vergonhosa actuação perante a Gripe A.

 

sinto-me: bem
música: Medication (QOTSA)
publicado por Planeta Roxo às 16:20

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 27 de Julho de 2012

Flash Liberal- Um desonesto e cómico momento da Ministra das taxas

Um dos 3 representantes no governo do Partido Socialista Rico e Religioso (vulgo CDS/PP) fala em baixar carga fiscal (link abaixo). A tentativa de ocupar discurso 'liberal' do Primeiro-Ministro e simultaneamente demarcar-se de possível austeridade adicional, essa coisa com requintes de malvadez dos tipos do PPD, é reveladora da típica personalidade do CDS/PP. Não gosto. É política de segunda, muito timming estratégico mas pouca lealdade e honestidade.

A propósito disto muito dificilmente vejo capacidade para descer impostos a uma campeã da criação/defesa de taxas. A taxa de segurança alimentar, bem como, em certa medida, a extensão cara e excessiva da aplicada a usuários de produtos de origem animal em natureza, é extorsão. Logo, o presente discurso soa a falso. Que tal emendar um erro e atenuar um mal menor? Duas sugestões para a voz ganhar credibilidade;

1- Acabar com a taxa de segurança alimentar para grandes superfícies mesmo antes dela começar;

2- Rever âmbito (excessivo) e custos das taxas obrigatórias ao abrigo do Regulamento Comunitário Nº822/2004, especialmente para micro e pequenas empresas.

sinto-me: bem
música: Every Planet We Reach is Dead
publicado por Planeta Roxo às 01:15

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 12 de Abril de 2012

Notas Direitas: A nova taxa de Saúde e Segurança Alimentar – As baboseiras inadmissíveis da Ministra Assunção Cristas

1ªNota: A ministra Assunção Cristas ao querer sacrificar toda a fileira Agro-Alimentar com taxas injustificadas pretende fazer de nós, mais uma vez, parvos e escravos da máquina estatal. A Saúde e Segurança Alimentar são causas de interesse geral, como tal, é dos impostos e não de taxas selectivas que devem sair os financiamentos para a maioria das actividades de controlo oficial. Recorda-se ainda que não há subsidiação ou mercado regulado no sector terciário da fileira agro-alimentar (na esmagadora maioria do secundário também não). Tão pouco o Estado abona campanhas especiais visando empresas transformadoras ou de distribuição alimentar. Logo, não vejo contrapartidas que justifiquem taxas específicas para o sector em causa. Mesmo por isso, regulamentação comunitária é tão clara nos princípios gerais de provisão das receitas para controlos oficiais no âmbito da segurança alimentar, i.e., tirando casos particulares de razão atendível (ver nota 4), deixa campo aberto para opções políticas nacionais.


«Se temos a ambição e a obrigação de termos sistema seguro do ponto de vista alimentar que garanta a todos os consumidores que o que consumimos está em boas condições, precisamos de ter controlo ao longo de toda a cadeia e que ela venha a contribuir para este fundo que, como digo, na sua maioria vai ser alimentado por taxas que já existem sobre a produção e sobre a indústria transformadora» (Assunção Cristas, Ministra da Agricultura, Pescas, Ambiente e Ordenamento de Território)

 

2ªNota: A ministra é uma ignorante sobre a matéria e nem sequer disfarça bem o verdadeiro objectivo da medida. Encheu pelos ouvidos porque quis ou lhe convém, pois se não sabe deveria saber que a garantia de segurança alimentar é uma obrigação dos agentes económicos, deveria ter dito, em vez de 'garanta', 'valide os sistemas de prevenção das empresas', porquanto o estado, nos seus controlos, não garante segurança alimentar, mas sim valida a forma sistematizada como as empresas o fazem. É inclusive demagógico e perigoso dar a entender que estas novas taxas serão potenciadoras de mais segurança alimentar.


3ªNota: Depois há outras questões técnicas a ter em conta que reforçam a injustiça da medida; Para ser minimamente coerente, a taxa aplicada a grandes superfícies não poderá ser por área total, mas sim por área afecta às trocas comerciais de carnes frescas e de produtos de origem aninal. E mesmo assim seria injusto. Na distribuição não há perigos significativos específicos que obriguem a esforço especial de controlo pelo Estado. Mais, se há empresas que controlam bem e têm bons técnicos de segurança alimentar elas certamente estão todas nesta área de negócio, logo, não percebo a questão do 'precisamos de ter controlo em toda a cadeia'. Ele existe e é razoavelmente bem feito, o Estado não tinha necessidade nenhuma de intervir.  


«nós já temos os produtores e a indústria transformadora a contribuírem com taxas específicas há muito tempo criadas nesta matéria. Não tínhamos o contributo da grande distribuição e para nós é importante que haja uma repartição solidária, uma responsabilidade partilhada e equitativa» (Assunção Cristas, Ministra da Agricultura, Pescas, Ambiente e Ordenamento de Território)


4ªNota: Mais uma vez na ânsia de arranjar receitas a Ministra troca-se toda na declaração acima. É falso o que diz. Só as actividades, essas sim de perigosidade atendível, têm estas taxas específicas (UE obriga). Estamos a falar de actividades comerciais de animais vivos, antibióticos para animais, resíduos de origem animal, carnes frescas e de produtos de origem animal. Uma fábrica que descasca batatas não paga esta taxa, nem uma fábrica de bolos, nem uma adega. E tinham que pagar? Evidentemente que não, é injustificável por razões de segurança alimentar. E aqui fica a curiosidade, vão passar a pagar? Em que moldes e com que isenções? E já agora porque ficam de fora restaurantes? Quando estatisticamente são maiores responsáveis por intoxicações alimentares? Toda a argumentação da Ministra não tem pés nem cabeça do ponto de vista técnico. E outra coisa! Então se é para repartição solidária porque não se baixam as taxas nas actividades já a elas sujeitas?

 

«estes custos terem de ser suportados sob pena de nos colocarmos em perigo a nossa saúde e de colocarmos em perigo as nossas exportações»(Ministra da Agricultura, Pescas, Ambiente e Ordenamento de Território)


5ªNota: E agora a questão política que descredibiliza o CDS/PP, PPD/PSD e Governo. O que mete verdadeiramente em causa exportações e consumo interno de produtos alimentares nacionais não é a potencial perigosidade para a saúde dos seus consumidores (estamos ao nível do primeiro mundo), mas sim a carga de impostos e obrigações para com o Estado a que empresas de pequena e média dimensão estão sujeitas. Neste aspecto, tendo também em conta comparação com os nossos competidores mundiais, estamos claramente parante mais um alarde demagógico da Ministra que basicamente não tem coragem de dizer aquilo que deve, i.e., ‘como os impostos não chegam peço desculpa tenho que sacar mais para sustentar a Direcção Geral de Alimentação e Veterinária’. 

 

6ªNota: Por fim fica a minha indignação para com um governo que promete a libertação da sociedade mas na prática a torna escrava de um Estado calão e incompetente. Será que com o IVA a 23% numa parte considerável de produtos alimentares (ficaram de fora muito poucos e os que ficam quase todos cabem nos descritos na nota 4) é justo vir com taxas deste tipo em nome da repartição de custos de segurança alimentar? Eu acho que não. Já estão todos mais que absorvidos pelo cliente ou empresas.

sinto-me: bem
música: Everything's Ruined (Faith no More)
publicado por Planeta Roxo às 16:16

link do post | comentar | favorito
psroxo@sapo.pt
Site Meter

pesquisar

 

posts recentes

Flash Liberal- A nova lei...

Flash Liberal- Mais uma p...

Flash Liberal- Lamentávei...

Flash Liberal- Um desones...

Notas Direitas: A nova ta...

Maio 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31

tags

todas as tags

arquivos

Maio 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

mais sobre mim

blogs SAPO