Domingo, 9 de Setembro de 2012

Notas Direitas: As novas medidas de austeridade anunciadas

1ªNota: A necessidade de medidas adicionais -para além do vetado constitucionalmente- não surpreende. Só quem não sabe fazer contas e ignora o que se passou no país nos últimos 10 anos pode ser apanhado desprevenido.

2ªNota: Há um lado positivo desta trapalhada toda. Temos que discutir o nosso modelo de sociedade. A discussão foi e é evitada mas é inevitável a curto prazo.

3ªNota: O governo -para quem vê de fora- mostra falta de coragem para abater, de forma estrutural, mais despesa pública desnecessária. Denota hesitação a cada arrufo publicitado, isso delapida credibilidade e sustentabilidade perante eleitorado que nele votou.

4ªNota: Num país onde o ordenado mínimo nacional é 485€ não se percebe a medida que 'oferece' 5,5% da taxa social única ao patronato. É inaceitável!

sinto-me: bem
música: Demon Days (Gorillaz)
publicado por Planeta Roxo às 04:08

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 6 de Julho de 2012

Notas Direitas- O Acórdão Nº353/2012 do Tribunal Constitucional, as questões de justiça para com os escravos -trabalhadores do sector privado-

1ªNota: O Tribunal Constitucional (TC) diz que todos devem contribuir, na medida das suas capacidades, para suportar os reajustamentos do país. Esquece-se vergonhosamente de quem, ao longo dos últimos 37 anos, beneficiou claramente dos actos que nos levam à necessidade dos actuais reajustamentos... os funcionários públicos. Foi muito zeloso quanto à desigualdade da repartição de sacrifícios, mas ignorou que a distribuição das benesses resultantes dos desequilíbrios acumulados fluiram sempre na mesma direcção e sentido. Aí o conceito de igualdade foi às ortigas...obrigado com ex-juízes do tribunal reformados aos 42 aninhos.

2ªNota: Achou que o limite do sacrifício exclusivo aos funcionários públicos está bem calibrado nos 5 ou 10% cortados temporariamente na retribuição, mas, só por estarem submetidos à causa do serviço público. Então e a parte do seu fraco rendimento ao longo de décadas? O problema não é o valor do ordenado em si, mas sim produzirem em desconformidade com ele! Então e a parte relativa à segurança do emprego? Como foi possível o TC subvalorizá-la como fez?

3ªNota: Pese embora o TC tenha secundarizado o tema dos reformados, também a eles é justo pedir mais, se o pagamento das suas prestações assenta na solidariedade nacional, quando não há espaço para a fazer, pode e deve cortar-se. Mas o TC ignora a real escravidão a que estão sujeitos os trabalhadores do privado ao abrigo do referido princípio. E vai daí sugere mais exploração em condições Marroquinas ou Congolesas. Até agora eramos escravos à moda portuguesa, o TC quer mesmo passar-nos para a condição de escravo Africano.

sinto-me: bem
música: Lonely Boy (The Black Keys)
publicado por Planeta Roxo às 20:22

link do post | comentar | favorito
Sábado, 15 de Outubro de 2011

Notas Direitas- O Orçamento de Estado para 2012

Impõe-se uma curta análise ao proposto (ainda não formalizado) e outra às prontas reacções. Vamos por partes no que respeita ao mais mediático;

 

Quanto ao proposto;

 
 

Extramamente Negativo- Todo e qualquer aumento de impostos especialmente quando recaem sobre rendimento e consumo de bens essenciais. Os mais perigosos são sem dúvida a proposta de IVA máximo na restauração, electricidade e gás. Incorporam um efeito bomba que ameaça o emprego no sector privado, dentro deste, em especial numa camada fragilizada e mal remunerada dos trabalhadores/pequenos empresários da restauração. Nota de detalhe, rejeito liminarmente, à semelhança do passado, que leite enriquecido com cálcio ou achocolatado tenha IVA maior que o vinho. Os Impostos em Portugal precisam de descer não de subir... com o estado do país esta frase de Pedro Passos Coelho é uma miragem talvez para 2020.

 

Extremamente Negativo- A dimensão do corte cego nos rendimentos na função pública. Aos funcionários públicos e parapúblicos não se pode dizer que é injusto, é inegável que muito beneficiaram com o regabofe/crimes orçamentais que vêm desde 1995, nem nunca se preocuparam com sistemas de avaliação que separam bons e maus, mas não é isso que está em questão agora. O problema são algumas áreas essenciais onde o serviço prestado aos cidadãos já é tão mau, temendo eu assim uma catástrofe ainda pior ao nível da justiça, segurança e saúde.

 

Extremamente Negativo- O aumento do tempo de trabalho no sector privado sem que nada seja exigido ao patronato não abrangido pelo 5% adicionais do IRC.

 

Positivo- Deixaram a TSU reduzida na gaveta e do fundo empresarial para despedimentos nem uma palavra, espero mesmo que tenha morrido.   

 

Positivo- Acompanhando as notícias do orçamento veio o plano estratégico dos transportes. A suspensão/reconversão do TGV e a confirmação da restruturação à séria das empresas de transportes públicos. Peso embora o mérito tenha que ser repartido com a  Troika, o anunciado parece não ser mau, mas é melhor esperar, ver, e confirmar se o governo consegue executar.

 

Quanto às primeiras reacções;

 

1- Há uma legítima preplexidade generalizada sobre a profundidade do problema orçamental do país. Ao governo cabe vir explicar ao povo na RTP, na Antena 1, nos jornais, como quiserem e as vezes julgadas necessárias, cêntimo a cêntimo, a natureza das divídas condutoras à calamitosa realidade de Outubro de 2011. E já agora, de uma vez por todas, para pessoas livres fazerem correcto juízo sobre a acção dos banqueiros nestes tempos difíceis, dizerem quanto da dívida externa nacional é da responsabilidade directa ou indirecta do estado (central, autarquias, regiões autónomas e empresas públicas).

2- Bagão Felix queria cortes nos ordenados também no privado por via fiscal. Ora Sr. Bagão é inaceitável! Porquê? Fácil!; a) Os ordenados no privado em média são consideravelmente mais baixos (como você aliás já mencionou várias vezes no passado); b) A garantia de emprego não é igual nos dois tipos de trabalhadores; c) As condições de trabalho e produtividade idem. Depois há razões elementares de gestão, reduzem-se os ordenados porque o patrão estado não pode pagar, se tal acontecer com patrões privados, descanse, há correcção muito mais fácil e rápida de fazer quando comparada com as reformas estruturais das organizações públicas. Era o que mais faltava o estado impor penalizações a empresas bem geridas, produtivas e competitivas, podem ser poucas mas deixem-nas em paz. Talvez aceitável fosse coisa similar em termos de receita nas empresas dos Oligopólio/Monopólios, mas nunca por via do rendimento dos trabalhadores. 

 

sinto-me: bem
música: Back in Black
publicado por Planeta Roxo às 20:56

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 3 de Maio de 2011

Notas Direitas- A comunicação ao país surreal

 

Cerca das 20 horas e 40 minutos de hoje, um engenheiro domingueiro na figura de primeiro-ministro demissionário, veio fazer um anúncio ao país. Em cerca de 20 segundos anunciou acordo com a troika salvadora (FMI, BCE, UE). Mas qual? Não disse. Mas com que condições? Também não disse. Preferiu vagas menções, por defeito, ao PEC IV! Logo a seguir, nos restantes 5 minutos da comunicação, vestiu a pele de candidato a legislativas e desatou a desfiar medidas que não iam acontecer, alegadamente defendidas por Passos Coelho, em contraponto à noção de estado social do Partido Socialista. Estranho!

 

Com posturas destas como é possível pedirem cooperação aos partidos que com dificuldade garantem a tosca e enviazada democracia nacional?

 

Para além de tudo o que é dito por aí, destaco a total falta de coragem de um cobardolas sem espinha, incompetente e corrupto que nem homem foi para citar ao país, uma por uma, as medidas que acordou para tentar "limpar" os estragos monstruosos de provocou a Portugal. Por fim, ainda conseguiu prometer aumentos, fantástico, por mais justos que sejam nas pensões mais baixas, deveria haver algum pudor na sua apresentação.

  

sinto-me: bem
música: The Pretender
publicado por Planeta Roxo às 22:19

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 19 de Abril de 2011

Flash Liberal-O Accountability Pré-Eleitorial

“…O peso dos impostos e contribuições para a Segurança Social cobrados em Portugal - uma medida muito próxima da carga fiscal da economia - vai atingir o valor mais alto de sempre já em 2011 e bater novos máximos nos dois anos seguintes, isto é, até ao final do Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC). É a carga mais elevada desde 1977, se juntarmos a série da Comissão Europeia (até 1994) à do governo (desde 1995)…”. (Fonte: RTP)

 

Este texto já está desactualizado com a vinda do FMI, desactualizado por defeito, mas transparece bem o que governo dos Socratunos fez...ou não fez! Uma sociedade forçada a pagar serviços públicos e decisões políticas a preços incomportáveis, sem o retorno, utilidade e oportunidade desejada.

sinto-me: bem
música: Salute your Solution
publicado por Planeta Roxo às 20:16

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 14 de Abril de 2011

Flash Liberal-O Accountability Pré-Eleitoral

Palavra do Ano; Socratunos

 

O número de desempregados, em finais de 2004 inicío de 2005, era considerando uma vergonha nacional pelos actuais Primeiro-ministro e Ministro de Economia. Ora vamos lá então às contas; Desempregados inscritos no IEFP em 2005 (em média), 477.200. Desempregados inscritos em 2010, 555.800 (em média). Um aumento de 16,5% que fez disparar a taxa de desemprego para mais de 11% (Fonte: Pordata).

 

Queria muito apanhar um avião e ficar aqui o tempo que me apetecesse

sinto-me: bem
música: Salute Your Solution
publicado por Planeta Roxo às 15:05

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 11 de Abril de 2011

Flash Liberal- O Accountability Pré-Eleitoral

Somos os Campeões da Europa do Crescimento Económico! (Sócrates J., algures entre 2008 e 2009). Fantástico! Em 5 anos, aumentar a dívida pública em 63,8% do PIB, para crescer 0,9%, é realmente só para engenheiros formados ao domingo!

 

Cálculos com a preciosa ajuda do Pordata; Diferença entre dívida pública de 2010 e 2005 a dividir pela dívida de 2005, e soma dos crescimentos económicos nesses 5 anos  - tudo em percentagem-. 

Finalmente percebe-se a dificuldade de algumas pessoas no governo de Sócrates, a Universidade Independente tinha quadros destes, em língua esquisita, ainda por cima nas aulas de ciências exactas.   

sinto-me: bem
música: Salute your Solution
publicado por Planeta Roxo às 22:48

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 23 de Março de 2011

Flash Liberal- Os Caprinos/Ovinos Nacionais Não Podiam Aceitar

A todo o momento esperamos o fim deste governo. Não podia deixar de ser! Sobretudo por duas ordens de razões muito fortes, as de carácter e de competência.

 

Carácter;

 

1- Não se pode dar a palavra de Portugal em instâncias internacionais sem previamente discutir os compromissos a acordar com os demais representantes da democracia nacional. Estando então em jogo medidas de tamanha monta como seriam/são as do PEC IV... é gravíssimo!

2- O governo de Sócrates é/foi  mentiroso, lida mal com a verdade. Gosta/gostou do disfarce, de nuvens de fumo e de corrupção.

3- O governo de Sócrates tem/teve tendências fascistas e controladoras das forças não seguidistas do Partido Socialista.

4- O actual/cessante governo, minoritário, está a aplicar um programa totalmente dissonante do apresentado em campanha eleitoral de 2009, passou do seu discurso confiante do paraíso para o inferno que veio de fora.

 

Competência;

 

5- Nestes seis anos Portugal piorou muito em funções de soberania essenciais num Estado de direito; Justiça, Defesa e Administração Interna.

6- Os Portugueses cada vez aprendem menos nas escolas públicas e cada vez mais são brindados com serviços públicos de saúde de baixa qualidade.

7- Sócrates, em 2004, herdou um dívida pública controlada, em 2011 estamos a beira de a duplicar.

8- Sócrates governou unicamente para o PSI-20 e para funcionários públicos e mesmo assim mal.

9- O PS (e seu governo) ignorou os jovens, humilhou os idosos desfavorecidos, abafou os verdadeiramente empreendedores e destemidos, e, à custa de impostos brutais visou manter o sistema que favorece o seu eleitorado, em grande parte (ou quase toda) funcionários públicos ou empregados de empresas públicas.   

 

Rua chulos! Em eleições farei tudo o que puder para não ganharem novamente. Só vos peço uma coisa...não, não é que falem verdade, mas que não encham a boca para falar de patriotismo...é instigar a violência em quem verdadeiramente o sente!    

  

Os Caprinos/Ovinos nacionais  não podiam aceitar mais isto...a seguir segue-se a esperada luta de ideias!

   

sinto-me: bem
música: Everything is ruined
publicado por Planeta Roxo às 20:23

link do post | comentar | favorito
Sábado, 19 de Março de 2011

Notas Direitas

 

1ª Nota: Ora como era esperado, porque no Portugal político se finge que se faz, os usuais preparavam mais um PEC, neste caso o 4. Digo preparavam porque parece ser bastante provável que já não tenham possibilidade de o aplicar. Contudo, vale a pena olhar para as medidas que eram (são) propostas. Só concordo com uma, e mesmo essa tem que ser aplicada de forma diferenciada, pois no privado há muita gente que não foi com reforma por inteiro para a etapa final da sua vida, nem sequer teve a hipótese de vir para casa com 50-55 anos de livre vontade ou por benesse. Logo, concordo com o corte nas reformas. Agora os que beneficiaram verdadeiramente com o festival dos últimos 30 anos, podem e devem pagar mais a crise. Volto a dizer, nada tenho contra este ou aquele funcionário público, mas as coisas são como são e não vale a pena sermos hipócritas.

  

2ªNota: Muito se tem perguntado por aí; "Mas onde se pode cortar mais no estado?" Querem um de vastos exemplos? Tome lá este que o jornal Sol noticiou esta sexta-feira; O presidente do Instituto de Finanças de Agricultura e Pesca (IFAP), vai gastar mais de 10 000 euros em cursos de inglês para os cargos de direcção - contratou um professor do Cambrigde School-. Então mas não é este tipo de coisas em que se corta logo em tempo de crise? Para director no LIDL tem que se ser fluente em alemão (à priori), e então no estado é possível chegar a director com falhas graves na língua universal? Aquela que se aprende pelo menos 7 anos na escola!? A coisa ainda se torna mais grave quando se diz, na notícia, que este tipo de formação ficava bem mais barata se feita pelo INA (Instituto Nacional de Administração), público portanto! Vergonha e abuso total de posição privilegiada!

 

3ªNota: Não resisto a uma nota de grandeza! O Sport Lisboa e Benfica confirma que os seus dirigentes estão, pelo menos na política de comunicação e expansão, a ter um sucesso de assinalar. Não é para mais ninguém em Portugal conseguir ter 30 000 adeptos a puxar pelo clube em Paris. Só está ao alcance do mais nobre de valores, democrático e inclusivo do país!

 

4ªNota: O Planeta Roxo, esta semana, esteve em destaque nos blogs do sapo! Não sei se mereceu, o seu criador não tem tempo para se dedicar a mais elaborados e profundos posts -como pretendia-, tem de trabalhar para ganhar a vida, e, hoje em dia, cada vez mais horas. De qualquer forma um muito obrigado à equipa do Sapo, penso que premiaram a consistência do meu pensamento político, social e cultural, seja ele bom ou mau. Deram-me ainda mais força para o continuar com este meu projecto. 

sinto-me: bem
música: No One Knows
publicado por Planeta Roxo às 15:15

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 11 de Outubro de 2010

Notas Direitas- O Orçamento de Estado

 

1ª Nota: No final de Setembro (dia 24) Passos Coelho (PC) garante que só com testemunhas voltaria a reunir-se com José Sócrates: "Foi com muita estupefacção que ouvi a reacção do primeiro-ministro e nunca pensei ter de dizer o que vou dizer: que não haverá nenhuma outra ocasião no futuro em que o líder do PSD volte a conversar em privado com o primeiro-ministro sem que existam outras pessoas que possam testemunhar a conversa". Digamos que chamar aldrabão desta forma ao Primeiro-ministro José Sócrates é categórico, revela uma tremenda classe e sobretudo sangue-frio que por ainda não ter muito admiro. Tenho pena que PC tenha descoberto o verdadeiro carácter de Sócrates tão tarde.

 

2ªNota: Sem parceiro para o tango da mentira, no princípio de Outubro, percebendo o governo que sorte nenhuma teria em nova partilha de responsabilidades nas medidas correctivas de combate à sua desgraçada governação económico-financeira, lança para a discussão, sozinho, as linhas orientadoras de um Orçamento de Estado para 2011 (OE 2011). Eis que em 10 dias muito por culpa da acção do PPD/PSD o país finalmente tem todos os passos “alinhavados” para começar a treinar para o “break dance” da verdade nua e crua.

 

3ªNota: Claro que o “centrão” ditatorial nacional liderado pelo inútil que debita disparates em eucaristias dominicais, antes na RTP agora na TVI, vêm clamar pelo acordo PS-PSD no OE2011. Pasme-se, em Agosto, achava que as condições impostas por PC para tal acontecer eram poucas e não ambiciosas. Agora, que apenas umas delas parece ser atendida (diminuição da despesa pública) já mudou o discurso e apela ao bom senso “castrador” da democracia nacional. Já agora que dizer daquela anedótica entrevista de Diogo Freitas do Amaral afirmando que PS e PSD andam a brincar com o fogo! Desculpe senhor anedótico!? Repita lá outra vez? PSD!? Que responsabilidades tem nos últimos anos de governação? Zero. Bem me parecia. Por acaso não foi o senhor que acompanhou o gatuno que nos lidera à 6 anos? Pois, parece que sim.

 

4ªNota: Como sou daqueles que acha que a actual situação económica só vai melhorar depois de piorar um pouco mais –estilo ditado americano-, eu no lugar de PC votaria contra o OE2011 se as suas condições de Agosto não fossem cumpridas. Além do mais, algo diferente disso, é o seu fim como político credível. O eleitorado base que o suporta não aguenta um segundo pedido de desculpas. Será visto como o político dos lamentos com medo de papões -como todos os outros-. Tenham os papões nomes giros como FMI, Mercados Financeiros, BCE ou outra coisa qualquer. Os portugueses merecem verdade e coerência, só depois, se possível, tentar viver melhor sem penalizar os funcionários não públicos que sustentam este país há 34 anos. 

 

5ªNota: E veja-se o esterco de gente que somos que há duas semanas o projecto de revisão constitucional de PC era um erro unânime. Agora, depois da madrugada dos números das trevas, tudo se calou no Portugal jornalístico/político defensor do estado social.

 

sinto-me: bem
música: warrior
publicado por Planeta Roxo às 21:59

link do post | comentar | favorito
psroxo@sapo.pt
Site Meter

pesquisar

 

posts recentes

Notas Direitas: As novas ...

Notas Direitas- O Acórdão...

Notas Direitas- O Orçamen...

Notas Direitas- A comunic...

Flash Liberal-O Accountab...

Flash Liberal-O Accountab...

Flash Liberal- O Accounta...

Flash Liberal- Os Caprino...

Notas Direitas

Notas Direitas- O Orçamen...

Maio 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31

tags

todas as tags

arquivos

Maio 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

mais sobre mim

blogs SAPO