Sexta-feira, 17 de Abril de 2009

Notas Direitas

1ª Nota: Numa das poucas vezes em que o interesse de uma corporação importante, dinâmica e inteligente está em consonância com o interesse comum, há uma outra corporação ainda mais poderosa que diz não!..Que se lixe o bem geral, somos nós que mandamos, porque a lei está do nosso lado, porque invejamos quem de forma inteligente ganha mais dinheiro do que nós no negócio da saúde, e, imagine-se, "...Porque há muitos doentes que conhecem os medicamentos pela cor e pela forma e uma alteração pode ser grave...o genérico nem sempre é opção por razões psicológicas do doente que associam efeito à marca que conhecem..."

 

A questão legal; Cabe ao governo, tal como prometeu em 2005, obrigar os médicos a receitar princípios activos e não marcas. Se os médicos não o fizerem, pô-los a explicar por a mais b as razões, estando sempre sujeitos ao contraditório (regulamentado) das farmácias. 

 

A questão comercial; Pouco inteligente é atacar a Associação Nacional de Farmácias só porque sabem ler o mercado. Até porque os médicos e a sua ordem não devem atirar pedras quando têm telhados de vidro enormes.

 

A questão técnica; Cor e forma de comprimidos? Psicologia da marca? Mais vale chamar aos portugueses burros e "pavlovainos".

 

Argumentos inaceitáveis por parte dos médicos...como quase sempre! São contra tudo e mais alguma quando lhes subtraem os poderes e mordomias que têm, só admissíveis se o tempo tivesse parado em 1960. 

 

2ªNota: No dia 16 de Abril de 2009, na assembleia da república portuguesa,  aprovado foi  a autorização para o Ministério das Finanças aceder directamente às contas bancárias dos contribuintes nos seguintes termos genéricos;

 

"...A administração tributária tem o poder de aceder a todas as informações ou documentos bancários relevantes sem dependência do consentimento do titular dos elementos protegidos, sempre que o solicite às instituições de crédito, sociedades financeiras e demais entidades para efeito exclusivo da verificação da compatibilidade entre os totais dos depósitos e aplicações e o total dos rendimentos declarados para efeitos de cálculo do imposto sobre o rendimento das pessoas singulares...". (fonte: www.parlamento.pt)

 

Nada tenho contra, mesmo quando da autoria do deputados do Bloco de Esquerda (BE). Curioso estou por saber como os políticos de esquerda (e alguns de direita!), anciosos por viver mais e melhor à conta de quem verdadeiramente trabalha, vão regulamentar uma lei que bem estruturada poderá facilitar o combate à corrupção e fuga ao fisco, maliciosamente desenvolvida será um instrumento de terror,  amordaçando a liberdade e perseguindo quem enriquece com responsabilidade social.

 

Isto porque estou frontalmente contra o modo prático como o BE pretende aplicar o exarado, i.e., "...Os bloquistas defendem que se deve partir da informação bancária para encontrar indícios, e não ficar à espera de indícios para então analisar as contas bancárias.." (fonte: Expresso 18/04/2009)

 

Também estou para ver se com a efectivação deste novo mandamento, a velha previsão de homens "bondosos" de esquerda se concretiza, i.e., mais agentes económicos a entrar, em quantidade e qualidade, na legalidade, logo, quem já pagava, poderá ver a carga fiscal baixar....a ver vamos!

 

Por outro lado, é legítimo recear tamanho poder nas "mãos" de uma função pública como a nossa, impreparada para lidar com responsabilidades deste nível. Mais uma razão para regulamentar com "pinças" esta matéria.

 

3ªNota: Apontamento curto e final para o grande filme "Grand Torino" de Clint Eastwood.

 

É um interessante e dinâmico  retrato de um dos "Right wing average old man"  existente na "América real", provando ao mesmo tempo ser possível um Republicano sentir e demonstrar sensibilidade social -da forma que eu considero correcta-,  assim os políticos expliquem melhor às massas a estratégia dos seus "foreign affairs".

 

Agrada-me que Clint Eastwood não esconda que é de direita, embora nos E.U.A. esse conduta não tenha tantos custos como no tacanho Portugal. A única coisa menos positiva é o facto de o filme centrar-se num modelo de carro que é um hino à irracionalidade energética.

 

sinto-me: bem
música: Use somebody
publicado por Planeta Roxo às 22:50

link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



psroxo@sapo.pt

pesquisar

 

posts recentes

Reflexões de observador a...

Notas Direitas- Projecçõe...

Agora só quando vale...e...

O Nº226034 está-lhe grato...

É muito melhor que as 'pa...

Só para avisar que se me ...

Onde está a equidade cons...

Precisamos de oportunidad...

O meu olhar sobre polícia...

Flash Liberal- Passos Coe...

Maio 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31

tags

todas as tags

arquivos

Maio 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

mais sobre mim

blogs SAPO