Sexta-feira, 16 de Fevereiro de 2007

Nova OCM Vitivínicola -discutir é preciso-

Algures no actual espaço e tempo Europeu está em construção uma nova Organização Comum do Mercado (OCM) Vitivinícola. Todos esperamos pela sua chegada efectiva em 2007.
 
Bom seria, que o projecto de texto final para substituição do “velhinho” Regulamento (CE) Nº1493/1999 fosse ainda apresentado e discutido, em plena  presidência portuguesa do Conselho Europeu. Mais não seja pela potencial visibilidade do tema em terras Lusitanas, facto que poderia acrescentar algum “brainstroming nacional” à questão.
 
Desta vez, perante mais uma investida da União Europeia (UE) sobre a fileira do vinho, cabe-nos a nós, Portugueses, defendê-la racional e afincadamente, pois, a mesma é crucial para a nossa agricultura, indústria, secular na nossa existência e basilar na nossa economia. Logo, daqueles que têm, tiveram, ou pensam vir a ter rendimentos provenientes da vinha e do vinho, devem emergir sugestões e/ou análises críticas para aquilo que deve ser uma nova OCM Vitivinícola, em que os nossos reais e legítimos interesses não sejam mais uma vez subjugados aos tradicionais “tubarões da Europa” .
 
Contudo, enquanto se espera pela proposta integral de reforma, as linhas mestras vão sendo conhecidas através de declarações da comissária europeia da Agricultura, Mariann Fischer-Boel. É partindo destas intervenções que me permito tecer algumas considerações;   
 
1-“Não podemos continuar a incentivar a produção de milhões de hectolitros que não se consomem, se não combatermos esse decréscimo de consumo vamos ter problemas”
         Mariann Fischer-Boel Douro 09/2006
 
Ao produzir esta afirmação, a Comissária Europeia da Agricultura dá o mote para a necessidade da referida reforma. Porém, tal declaração embarca duas das vertentes do paradigma no sector, produção e comercialização. Apesar de interligadas, tem problemáticas diferentes, por isso, são dignas de ser analisadas separadamente.
 
Aceitando a produção excessiva como um problema na EU, então convinha dar sinais claros de não incentivo a práticas que anulam a vantagem comparativa de ter o melhor e mais bem adaptado potencial de produção. Assim, talvez fosse coerente e corajoso o fim da ajuda ao Enriquecimento, de forma progressiva, ou até mesmo de imediato. Acredito que com esta hipotética decisão se actuava em 4 frentes;
- Diminuição dos volumes produzidos (estímulo negativo em relação à prática e consequente desvalorização das vinhas de fraca qualidade para produção de vinho);
- Arranque de vinha (potencialmente substituível por outras de maior qualidade e que produzem menos quantidade);
- Indução ao melhoramento dos processos produtivos, reposicionamento estratégico de produtos e empresas no mercado, visando a optimização dos recursos naturais;
- Poupança de recursos humanos e financeiros, neste momento afectos aos controlos de execução (pela diminuição do recurso a esta prática enológica).    
 
Juntamente com o fim da ajuda, simplesmente proibir a adição de sacarose como meio de enriquecimento. Devia ser um ponto de honra Português fazer desaparecer da nova OCM esta variante da prática. No vinho só, e sempre, produtos naturais da uva.
 
Por outro lado, quanto aos limites e condições para a prática do Enriquecimento (Ponto C, Anexo V do Regulamento (CE) Nº1493/1999), é possível restringi-los ainda mais. Isto se, a intenção de diminuir os volumes produzidos é verdadeira e realmente quer-se apostar na qualidade e aptidões naturais para a produção de vinho.
 
Estas decisões provavelmente iriam afectar todos os países, mas quem conhece o sector sabe que é óbvia. Na minha opinião o começo da reforma era nesta prática enológica. No enriquecimento a UE gasta muito dinheiro a premiar a falta de qualidade.
 
Estranha-me que a Comissária fale tanto em acabar com a ajuda à Destilação Voluntária –medida que em Portugal criou alguns maus hábitos na produção de vinho, é verdade, mas que servia um propósito e até era insuficiente, pois, pelas minhas contas, não produzimos álcool de “boca” suficiente para os nossos Vinhos Licorosos-, e não dê uma palavra sobre Enriquecimento. Enfim prioridades que não se entendem.  
 
2- A comissária Europeia garantiu ainda que o arranque de vinha prevista na reforma é “voluntária”.
Agro-portal/Agro Notícias, 09/2006
 
Cá está mais do mesmo. E a mais do mesmo deveríamos responder da seguinte forma; Não somos, nem queremos ser, mendigos vendidos por cêntimos, já aprendemos no passado, prémio ao arranque não é solução.
 
Concordo em absoluto em melhorar a qualidade do nosso potencial de produção, e até com o produzir menos vinho, mas nunca com ter menos disponibilidade para novas plantações. 
 
Não é aceitável, nem lógico aceitar, um pedido de arranque definitivo, pois, todos sabem, até a Comissária, que a vinha é uma das poucas culturas para a qual temos condições favoráveis e a partir da qual podemos construir um sector super competitivo.
 
Por isso, se me é permitido diria o seguinte;
 
- Prémio para arranque em Portugal? Se fazem questão, sim! Pois ainda temos algumas vinhas de fraca qualidade. Mas nunca abdicaremos do “activo gerador de riqueza”, i.e., o direito de plantação;
 
- Este é nosso, propriedade da agricultura nacional (do estado), sempre disponível para um futuro que eu acredito que será de conquista de novos mercados e consumidores. É preciso é trabalho, formação, qualificação e coragem ao nível de recursos humanos;
 
- Mais, é aceitável pedir a redução da produção de vinho em Portugal, mas vendo alguns indicadores fornecidos pelo IVV nos seus anuários, é bastante questionável qual deve ser o nosso esforço para tal. Não será ao trio Espanha, França, Itália que se deverá pedir a fatia de esforço mais significativa?
 
Sinceramente, espero que quem ganha o seu ordenado para defender a agricultura Portuguesa em Bruxelas tenha feito o trabalho de casa, há muito por onde “pegar”, discutir, e reformar. A única condição de base é perceber do sector como um todo. 
 
A propósito, perguntem à empresa agrícola Companhia das Lezírias o que está a fazer em relação às suas vinhas? Logo, terão a resposta dada pelo estado, a uma reforma que funcionários do estado (e não só) vão negociar em Bruxelas. Contra o lema “menos e melhor”, da Comissária, nós devemos responder com “melhor sim, mais ou menos, quem decide é o mercado e os seus “players”. Não abdicamos dos direitos de plantação, a UE, tal qual, a administração de cada estado membro é reguladora, logo, um árbitro, e árbitros não devem querer estabelecer o resultado final”
 
Nota Final
 
Muito mais havia para dizer sobre a OCM e seus aspectos relacionados, claramente necessitados de novas abordagens -Distribuição, Comercialização, Promoção e Fiscalização-. Por isso, mais contributos devem tornar-se públicos. Desta vez, governo, agentes económicos e sociedade civil devem unir-se e contribuir para uma nova OCM (seja ela em que moldes for) de acordo com os nossos interesses. Tendo sempre presente que cada pé de vinha gera emprego desde o campo até à mesa do restaurante.
 
Paulo Roxo
Engenheiro Agrónomo
Ligado ao sector Vitivinícola desde 2000

 

sinto-me: bem
música: rooster
tags:
publicado por Planeta Roxo às 19:53

link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



psroxo@sapo.pt

pesquisar

 

posts recentes

Reflexões de observador a...

Notas Direitas- Projecçõe...

Agora só quando vale...e...

O Nº226034 está-lhe grato...

É muito melhor que as 'pa...

Só para avisar que se me ...

Onde está a equidade cons...

Precisamos de oportunidad...

O meu olhar sobre polícia...

Flash Liberal- Passos Coe...

Maio 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31

tags

todas as tags

arquivos

Maio 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

mais sobre mim

blogs SAPO