Quinta-feira, 5 de Julho de 2012

Notas Direitas: 'Airborne Strike' ao Jardim do Relvas (III)

Como me indignei com o curso de engenharia do Ex-Primeiro-Ministro, os meus dois ou três leitores estranhariam o silêncio sobre a actual polémica à volta da licenciatura de Relvas;

1-Ao contrário do Ex-Primeiro Ministro, é meu entendimento que Miguel Relvas (MR) não tirou partido desta licenciatura ‘na hora’  para publicitar ou usufruir de qualquer título/especialidade profissional indevida. E até ganhos profissionais ou prejuízo para consumidores do seu serviço – decorrentes desta licenciatura - não existem;

2-MR perante o Tratado de Bolonha tentou e ‘ conseguiu comprar’ uma frase para o seu CV. Só pode haver uma acusação aceitável; Ser um notável (e maçon) permitiu-lhe obter, da Universidade Lusófona, leitura hiper generosa do sistema de créditos do referido tratado. Sobre a credibilidade do grau académico e qualidade da Lusófona cada potencial consumidor dos seus serviços tire conclusões. Naquilo que me interessa, repito, não consta que MR esteja no serviço público via concurso em que essa licenciatura genérica fosse facto eliminatório ou pontuado.

3-Houve facilitismo? Claro que houve! Foi ilegal ou saltou regulamentos da universidade? Até ver parece que não, ao contrário do final de curso de Engenharia do Ex-Primeiro-Ministro. De qualquer forma agradeço à comunicação social a informação sobre ‘modus operandi’ de privilégio para alguns cidadãos por parte de instituições de ensino superior. Pergunta fica? Era notícia se fosse com o anónimo Manuel Capim? Espero que sim e não descansem enquanto não denunciarem todos os casos deste tipo em todas as instituições. 

4-Há quem compare este caso com as ‘Novas Oportunidades’ na tentativa de relevar contradições insanáveis no discurso do governo na área educativa. É a mediocridade do costume empacotada num dos maiores defeitos do povo português… meter tudo no mesmo saco!

5-Uma coisa é um programa público anti-democrático, inútil e caríssimo, outra é um acordo entre duas entidades privadas, sem custos para o contribuinte, à luz de tratados internacionais reconhecidos em Portugal.

6-Ainda na linha de raciocínio das contradições do governo, sugere-se perda de credibilidade do mesmo quando levanta a bandeira da exigência na educação! Sobre isto basta dizer; MR não tem responsabilidades na área educativa, não tem intervenções de fundo nem redigiu o programa eleitoral do PPD sobre a matéria, e, ao contrário do que se diz, não está nos 4 ou 5 ministros referência deste governo (à luz dos cidadãos).

7-MR está a ser confrontado com erros da sua responsabilidade anteriores a 1991 e corrigidos há 20 anos (habilitações declaradas na Assembleia da República). Eu que sou sensível a aldrabices curriculares acho um bocado demais.

8-Não admiro nem repudio MR, mas percebo o que lhe estão a fazer. Seria bom que ponderasse bem o seu futuro, não por ser culpado de alguma coisa mas porque os actuais ministros ‘are in need to deliver’ alto rendimento, um tipo marcado desta maneira e com um passado cheio de momentos ‘of driving in the fast lane’ poderá causar muitos problemas de imagem e consequentemente perder muito tempo a compô-la.

9-É minha opinião que há diferenças entre Ele, o Ex-Primeiro Ministro e respectivos casos académicos. É como comparar um famoso oportunista esperto, com um famoso corrupto convencido. MR só perde numa coisa, em vez de cair em graça só acham engraçado o seu percurso de vida. Felizmente não vi ninguém a dizer, nem o visado, que a Lusíada é uma Universidade de referência em ciência política.

10- Só há uma via para evitar os males da acção de MR's. Caminhar para o liberalismo de Friedman. Percebendo-se agora a razão de Pedro Passos Coelho ter deixado cair os problemas de carácter (ou falta dele) dos políticos, aquando da sua chegada ao poder no PPD.

sinto-me: bem
música: Cachupa Man (Dead Combo)
publicado por Planeta Roxo às 23:13

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 31 de Maio de 2012

Notas Direitas: 'Airborne Strike' ao Jardim do Relvas (II)

1ªNota: Ou o grupo Impresa em particular e comunicação social em geral, conseguem provar a 'ponte' entre actuais ou ex-funcionários do SIED e Miguel Relvas na persecução de acto ilícito/favor consumado na coisa pública, ou então correm o risco de serem tomados como ridículos. Até agora não apresentaram um caso com pés e cabeça. Tudo circunstancial, sem profundidade e conexão.

 

2ªNota: Quanto ao essencial do regabofe vigilante ocorrido no SIED, a justiça que siga o seu caminho com a maior brevidade possível sem retalhar processos à tesourada.

 

3ªNota: No que respeita ao 'sub-caso' do jornal Público espero tranquilamente por conclusões, sendo que, toda a trama já foi reduzida ao seu real valor. Neste caso, devassa de vida privada seria apenas tornar pública putativa relação íntima entre uma jornalista e político da extrema-esquerda nacional. É muito pouco mas é alguma coisa e não se pode fingir que não aconteceu. Relvas deve conter o seu ímpeto. Deverá responder a pressões jornalísticas de forma consentânea com lugar, poderia ter ameaçado revelar o mesmo na linguagem formal 'politicamente correcta'. Parece ter-se comportado como um blogger em dia de fúria e não pode ser...como tal, o acto ainda lhe poderá valer a 'morte política' e respectiva demissão, dependendo do que a ERC relatar -pelo simples facto da exigência para com políticos de direita em Portugal ser 10 vezes superior à exigida aos de esquerda, a todos os níveis!

sinto-me: bem
música: Serenity (Godsmack)
publicado por Planeta Roxo às 13:33

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 22 de Maio de 2012

Notas Direitas: 'Airborne Strike' ao Jardim do Relvas

1ªNota: Miguel Relvas contra todos os prognósticos entrou para este governo decidido a marcar diferença. Assim, apostou em ficar na história como um dos actores principais de duas urgentes reformas nacionais. A 'Autárquica' e da 'Comunicação Social Estadual'. 

 

2ªNota: Sem agradar a ninguém seguiu um roteiro que evidência avanços nas duas matérias. Isto sou eu a pensar alto que não vejo necessidade de tanto canal de TV/Rádio estar protegido pelo chapéu do 'serviço Público', nem tão pouco haver mais de três centenas de municípios, quatro mil freguesias e um rol imenso de empresas municipais agiotas.

 

3ªNota: Depressa foi sujeito à Jihad da Associação do Sr. Ruas e de certos grupos privados de comunicação social. Se contra a primeira guerra santa se está a aguentar bem no balanço, já contra a segunda tem tido dificuldades. Foi sujeito a mentiras, juízos ridículos e demagogia de falsos moralistas no caso das 'Secretas'. Provavelmente terá perdido a calma. Contudo, mesmo do momento de pouco discernimento que é acusado, existem contradições insanáveis no discurso dos acusadores.

 

4ªNota: A falsa polémica fabricada à volta das 'Secretas' é sucesso tal que até blogs de direita se confrontam no que respeita ao seu último episódio. Quando deveriam era focar-se na importância das reformas propostas por Relvas, parecem-me boas em alguns aspectos (mais que não seja na poupança). Logo, aqui tomo partido do '31 da Armada' em detrimento do 'O insurgente'.

 

5ªNota: Sou pela seguinte opinião, salvo prova suficiente disto, Miguel Relvas deve ficar. Mas mais importante que isso é Pedro Passos Coelho não deixar cair nem uma nem outra reforma e implementá-las efectivamente nos contornos já definidos -se possível melhorar.

 

6ªNota: Deixaria dois reparos ao Ministro Relvas. Atenção à situação do TDT no Portugal profundo. Há problemas já denunciados pelas gentes que lá vivem. Sendo o político com tutela do desporto em geral e do futebol em particular, urge higienizar um mundo cheio de corrupção, compadrio e tráfico indigno de influências. Jantares com corruptos não ajudam.

 

    

sinto-me: bem
música: Pyro ( KOL)
publicado por Planeta Roxo às 21:31

link do post | comentar | favorito
Domingo, 15 de Janeiro de 2012

Flash Liberal- O novo partido da oposição

As nomeações directas ou influenciadas pelo governo podem e devem ser questionadas. Pela forma como foram tratadas do ponto de vista jornalístico, especialmente nas plataformas de informação do grupo IMPRESA, sinalizam claramente este grupo como principal partido da oposição.

Isto tudo porque o grupo IMPRESA quer mais sociedade e menos Estado em tudo, menos na área deles é claro. Mas isto já era sabido por todos os votantes deste PPD/PSD - de Passos Coelho. Agora o inesperado é ver recuperar técnicas de 'prostituição intelectual' que levaram e sustentaram Sócrates no poder durante 6 anos. Vejamos;

1-Porque razão ‘se esqueceram’ que cada novo membro do Conselho de Administração da ADP só poderá ganhar 5.300€ por mês? Porque razões basearam toda a sua informação de quarta e quinta-feira sobre o tema numa notícia falsa do Diário de Notícias que apontava para um rendimento anual de 150.000€?

2-Porque razão ‘se esqueceram’ da limitação de vencimentos dos gestores públicos levada a cabo por Pedro Passos Coelho?

3-Porque ‘carga de água’ tornam uma disputa judicial de um conjunto de 14 ou 15 municípios numa cruzada individual de Manuel Frexes? Sem sequer se preocuparem na divulgação das razões de tal disputa.

4-Mas qual é o ‘stress’ com o ordenado de Catroga no Conselho de Fiscalização da EDP? Saí do orçamento de estado? Foi aumentado quando comparado com o do seu antecessor? Do ponto de vista de competência para o lugar há alguma coisa a apontar?

5-Alguém neste país conseguiu acabar com 1700 quadros dirigentes (antes deste governo) ao mesmo tempo que em 1022 nomeações reconduz 816 pessoas?

6-E a pergunta de um milhão de dólares; Dêem-me um motivo para tratarem a parte pelo todo e o todo pela parte? Ahhhh…Já sei! Como dizem no Expresso é uma questão de imagem. Percebo, quem gostou dos 6 anos de imagens de Sócrates incomoda-se com a realidade. Mesmo por isso estamos como estamos.    

 

Portanto em relação às promessas de Passos Coelho em relação à despartidarizar o aparelho do Estado e não dar empregos a amigos, até ver, estamos conversados. Ou esperavam que os desse a inimigos políticos ou simplesmente acabassem com os políticos em lugares estratégicos para a condução do país? Até eu não esperava tanto…mas a verdade é que mudamos para muito melhor. Por muito que o clube dos ‘Pacheco Pereiristas’ diga o contrário.

 

Para memória futura; Se mandasse tinha vetado Celeste Cardona, e, se me explicarem/informarem até consigo aceitar a escolha inadequada de Frexes para as Águas de Portugal. Agora informem e não desinformem.     

 

sinto-me: bem
música: Pyro (KOL)
publicado por Planeta Roxo às 19:54

link do post | comentar | favorito
psroxo@sapo.pt

pesquisar

 

posts recentes

Flash Liberal- Com poias ...

Flash Liberal- Sobre a po...

Flash Liberal- O meu sinc...

Flash Liberal- As sondage...

Notas Direitas: 'Airborne...

Notas Direitas- Nicolau e...

Flash Liberal- Portugal à...

RTP-O óbvio para começo d...

Flash Liberal- A visita d...

Flash Liberal- E Agora os...

Maio 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31

tags

todas as tags

arquivos

Maio 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

mais sobre mim

blogs SAPO